quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Páginas Amareladas.

 
São diários antigos. Fatos de uma garota que não existe mais, mas que ainda mora naquelas páginas amareladas e cheias de adesivos coloridos. Quantas pessoas passaram por sua vida, quantas memórias, lágrimas, e sofrimentos por quem simplesmente não compartilhava do mesmo "amor eterno" que ela. Como doía um telefone desligado na cara, ou um sms não respondido. Como ardia no coração daquela menina frases absurdas como " Fulana é mais mulher do que você", ou "Deixa de ser criança e fale algo que se aproveite". E ela escutava calada, e ia remoendo aquelas frases, pensando em tudo o que deveria responder e não respondia... e se ele tivesse razão?  E se jamais encontrasse alguém que pudesse suportar seu jeitinho de menina, seu sorriso bobo, seu choro em um filme romântico? Afinal, como ele mesmo dizia, ninguem suportaria tanto "açucar" assim... só ele faria essa "caridade". A família avisou. As amigas também. Mas o desejo de VIVER partiu dela, num sábado de manhã, quando ela leu mais uma vez as páginas de uma história triste que ela mesmo escrevera, mas que poderia e deveria ter o final feliz. Olhou-se no espelho e viu que o "sorriso bobo" era lindo, seu jeitinho de menina era encantador, e que alguem nesse mundão enorme,com certeza, esperava por um pouco de açucar na vida. O "Não te quero mais, tchau." lhe deu a sensação mais marcante da vida: de decidir seu caminho, seu destino, de ser feliz. E hoje, lendo as páginas amareladas desses diários, ela percebe que as vezes as pessoas passam por nossas vidas, não para aprender com a gente, mas para que possamos aprender com elas... e ela aprendeu que merecia ser bem tratada, ser amada.
   E pra quem mais interessar: a menina cresceu. E descobriu que existe muito cara nesse mundo que troca o gosto amargo de uma cerveja, por uma boa dose de açucar.

(byBahferreira)

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Ironias e Síndromes do Pânico...


  Eles sabem que jamais poderão ficar juntos. Mas um cruzou o caminho do outro de uma maneira inesperada... Todos comentam, todos olham, todos dizem que eles se beijam por olhares. Os dois? Nunca confirmam nada. O silêncio representa um sentimento que nenhum dos dois entendem direito, é uma vontade de ficar do lado, de fazer carinho, de abraçar, de olhar nos olhos por horas e horas. Mas eles tem consciência de que isso não vai acontecer, são vidas diferentes, existem pessoas envolvidas, corações inocentes que não merecem ser machucados.
 Que ironia da vida! Encontrar uma pessoa assim que não tem nada a ver com você, mas que te faz sentir viva, mãos suando, coração acelerado, vertigem, e todos esses sintomas que, analizados por um profissional, seriam de Sindrome do Pânico... Mas não, é apenas um corpo reconhecendo a delícia de estar vivo! E vai dizer que não é um verdadeiro pânico ficar frente a frente com um olhar tão encantador, mas que jamais será seu?
  E assim segue a vida, o silêncio sempre acompanhando os dois, alguns olhares rápidos, sorrisos tímidos, mas um carinho existente e indestrutível, que cresce a cada dia.

(byBahferreira)

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Enfim... RESPIRANDO!

Essas férias vieram em uma época realmente maravilhosa. Pela primeira vez, em muito tempo, vou redescobrindo a beleza que é você pensar somente em vc, sem interferência das pessoas ao seu redor. Que maravilhoso quando conseguimos satisfazer nossas vontades, sem que o TEMPO fique gritando o tempo todo no seu ouvido!
 Descobrir o que te faz bem, o que te faz feliz... preparar aquele almoço que a tempos vc nao fazia, voltar a dançar, sair, rir, beijar bastante... Deveria fazer parte dos nossos dias sempre, não é mesmo?
Aos poucos , vou descobrindo como encaixar esses pequenos prazeres da vida nos meus dias tão corridos, nessa cidade louca que não para nunca. Afinal, estamos nesse mundo para viver plenamente e curtir!

;)

segunda-feira, 9 de julho de 2012

Mudanças...

Fase de mudanças, internas e externas. Percebi que as mudanças já não me fazem sentir  medo como antes, que agora é necessidade. Não dá mais pra pensar como antes, acreditar nas mesmas coisas... Eu mudei. É, mudei mesmo... em vários aspectos. Cresci muito rápido na vida profissional, convivo com gente e trabalho em um lugar que antes, só conhecia pelos jornais.  Virei universitária, futura Fisioterapeuta ( amém!). Enfim, foram tantas mudanças... e tudo isso me fez perceber que a vida é agora, e que 'bobeira é não viver a realidade'...

"Na mudança de atitude não há mal que não se mude, sem doença sem cura
Na mudança de postura a gente fica mais seguro
Na mudança do presente a gente molda o futuro..."

E que venha essa nova fase!!!   ;)